sábado, 24 de dezembro de 2011

E assim se vai sobrevivendo ...

Aquela sensação que me sobe pela garganta, e que por muito que eu lute contra isso, me leva as lágrimas a cair pelo canto do olho, regressa sem aviso prévio. Farta de sorrisos falsos, momentos encenados, histórias forçadas, resolvi manter-me no meu canto, mas nem a isso eu tenho direito. Cheguei a um estado onde o fingimento de que tudo está bem, me angustia e enjoa. E pensar que algum dia tudo isto mudaria, parece que ter esperança num futuro melhor nem sempre nos conforta.
Momentos que nunca foram nossos, que nunca foram de família, porque o que tenho decerto que não é uma família, são puxados ao limite, e como seria de esperar as mascaras finalmente caem por terra. Agora o cenário é cinzento, quase negro.. choro por fora, mas por dentro já não faz mossa, acho que me acabei por habituar. Não sou de fingir, talvez seja isso que não lhes agrada, o facto de eu não ir com as histórias encenadas e os teatros felizes, que sempre acabam em figuras tristes. 
Talvez se resumam mesmo a isso , a tristes almas andantes, talvez nunca tiveram amor, carinho, talvez nunca tiveram alguém, e por isso talvez não consigam ser alguém para mim também, ou então sou mesmo eu a tentar arranjar desculpas para o simples facto de que não resulta.
Talvez eu esteja a pedir  demais, talvez eu seja a egoísta aqui, mas mesmo assim não percebo, ou talvez nem quero perceber, mas o facto de não os ter, simplesmente já não me incomoda, acho que se resume ao simples facto de que nunca senti que os tinha, não no sentido de ter, porque sei que estão ali e que existem, mas sim no sentido de saber que estarão ali sempre em todos os momentos. E o  problema é que não estão, nunca estiveram, e nunca adem de estar.. é tão simples quanto isso! 
E eu apenas devia aceitar isso e seguir indiferente , mas não consigo, afinal de contas as coisas não deviam ser assim, não é assim que é suposto. Não sabem nada de mim, não conhecem a pessoa que tem todos os dias em casa , não sabem ver se estou bem ou mal, não sabem elogiar, não sabem dar carinho, não sabem apoiar, não sabem ouvir, entender, falar , ajudar, dedicar um pouco do seu tempo , nada.. apenas não sabem, nem lhes interessa saber.. mas também para que é que serve tudo isso, não é?
Nunca sou boa que chegue, nunca faço nada, nunca sou alguém, nunca nada.. nunca pensaram em mim com carinho.. Cresci sozinha, mesmo diante dos olhos deles, e mesmo assim nem deram por mim.
18 anos e prestes a sair de casa ,dentro de meses, nunca pensaram uma única vez que fosse , no meu futuro.. sigo para universidade, sem um tostão, pois o meu futuro nunca foi prioridade , mais uma vez terei de me safar sozinha, como de todas as outras vezes. ´
É como se eu tivesse caído acidentalmente neste mundo por acaso.. fizeram-me, tiveram-me e o trabalho está feito.. o resto é comigo, a minha infância, as minhas noites a chorar porque era gozada na escola, os cortes escondidos nos braços que ninguém lhe interessava reparar, as nódoas negras, a falta de auto-estima, a solidão, eram tudo problemas meus e apenas meus, que a eles sempre lhes passou ao lado... às vezes acho que se saísse de casa, eles , nem davam por nada.. acreditam?
Por mais deprimente que tudo isto possa ser, o mais triste é o facto de eu ter desistido, simplesmente não me importei mais, começou a passar-me ao lado, e por isso este natal, fiquei no meu quarto, lugar que sempre esteve lá pa mim, que me viu chorar muita vez, que me viu sorrir, que me escondeu e protegeu do mundo quando mais ninguém se lembrou do fazer, e não me arrependi.
É realmente triste quando as pessoas deixam de ter qualquer tipo de significado para nós, é como se passassem de tudo, a um simples estranho qualquer que vimos passar na rua.. 
Vivemos há 18 anos debaixo do mesmo tecto, mas é como se quase nunca nos cruzássemos, de certo modo até me ajuda, agora sei que estou preparada para o mundo lá fora , e sei que posso cair muita vez, mas vou-me aguentar, porque sempre o fiz.
Tudo isto só me faz perceber que no final de dia, apenas me tenho a mim para me consolar e dizer que tudo vai correr bem e que amanhã será melhor.
E assim se vai sobrevivendo ....

sábado, 8 de outubro de 2011

Um jeito único de me saber de cór

Olho-te nos olhos, numa tentativa de te tentar ler, mas tu sabiamente me desvias o olhar, sorris para mim , mas nos teus olhos, vejo o teu pequenino mundo ruir.
Amorosamente, fazes-te de forte, para que eu também não caia, mas por te conhecer tão bem, te leio, e sei de que não te encontras feliz.
És o espelho da minha alma, mas mesmo assim não me deixas entrar e ver a tua... Dizes que tudo tem solução, mas sabes que isso não passa de um curativo, para acalmar a dor do momento.
Adoro a tua força de vontade, a tua esperança, divirto-me a ver-te sorrir, acabas por me contagiar de sentimentos bons e aconchegantes.. 
Sei que contigo por perto estarei sempre bem, acabas sempre por ser o meu suporte, aquele que me faz acreditar que no fim do dia nem tudo é mau e que há esperança, mesmo que essa dure por breves instantes.
Admiro a tua capacidade de lidar comigo, sei que é um desafio, mas mesmo assim , aceitas-me como sou, independentemente de tudo. 
Sabes tudo o que me vem no pensamento, nem precisas de perguntar, tens um jeito único de me saber de cór, de me leres de trás para frente, és a minha parte forte, a parte que me faz aguentar durante o dia, a parte que não me deixa cair por terra e nunca mais me levantar, a parte que me lembra todos os dias do quão valiosa sou e do quanta sorte tenho em ter o que tenho .
És aquele abraço apertado, no momento em que aquela maldita lágrima teima em cair, és aquele sorriso gigante, em cada segundo do meu dia, és aquela voz da razão que me lembra de pensar em mim para variar, és aquele beijo que me transporta com o vento até onde o mesmo levar, és me tudo.
Acredito que seja difícil por vezes, mas mesmo não reclamas nunca! 
Deste um novo sentido a muita definição, fizeste renascer algo bom, alguém melhor , criaste um mundo nosso, uma historia nossa, algo SOMENTE NOSSO!
Algo que passou a ser a razão de tudo, que passou a dar sentido aos meus dias, que me leva a levantar da cama e sorrir porque sei que em poucas horas te terei por perto de novo, passas-te a ser algo meu, algo que não pode deixar de existir, pois deixara um vazio enorme, algo precioso.
Penso muita vez em várias maneiras de tu dizer, mas por muito que tente, as palavras apenas não chegam, és algo bem maior, bem especial, és tu e és meu, e só tu me conheces como ninguém.
Esse teu jeito que arranca de mim a toda hora aquele sorriso rasgado que só tu conheces, que deixa aquele brilho nos olhos que só tu sabes como fazer, aquela vontade de correr para os teus braços, AQUELA IMENSA SAUDADE DE TE VER, AQUELE IMENSO E INCONTROLÁVEL DESEJO DE SER APENAS E SOMENTE.....
  ...... TUA !!!

Somos... Fomos...Eramos

Fecho os olhos por breves momentos, numa tentativa desesperada de fugir do real, o medo de me deixar consumir atormenta-me, deixa-me sem sono, sem vontades ...
Pensava eu que fazia tudo por uma boa causa, quem diria que só estaria a ajudar o destino a por fim ao que nada mais tem para dar.
Pelos vistos não sei mesmo nada do que sou, do que és, do que tudo isto foi, pensei que tinha o meu porto seguro, pensei sem olhar para trás, e talvez o devesse ter feito, talvez me poupasse desilusões.
Agora , me encontro a caminhar sozinha, na mesma rua onde tanta vez caminhamos lado a lado, mas desta vez me encontro sem ti.. um pouco mais leve? Sim talvez, mas se me reconforta? Ai nem tu te apercebes do vazio que deixas quando simplesmente não estás.
Continuo a andar por esta mesma rua fora, a vida continua, apenas nós ficamos para trás, mas isso nunca te impediu de continuares a tua jornada, e assim o fizeste sem pensar 2 vezes sequer.
Dei tanta coisa como certa, para no fim saber que nada na vida é certo, muito menos para sempre.. mas por incrível que pareça esta triste ingenuidade não desaparece de dentro de mim, talvez por ser o meu consolo nas noites mais frias, talvez seja o meu esconderijo , a minha esperança, ou apenas a minha sentença... já nem sei mais.
Não sei o faça, ou o que diga, nem sei se nada mais adianta.. afinal para quê tentar remediar algo que simplesmente desvaneceu?
Pensava eu que me deixaria de consciência mais leve pensar que fiz tudo o que podia ser feito, mas quem queria eu enganar? Fugi , tal como faço sempre, eu confesso, não sabia o que fazer, sabia  que iria sofrer e fugi.. bem não me adiantou de muito é verdade, mas na altura parecia o melhor.. não quero viver de julgamentos , mas sei que por vezes os mereço.. há coisas que não se mudam, vêm connosco e ficam para sempre.. 
E pensar que chamei por ti tanta vez, tudo para descobrir que nunca lá estiveste, é triste!
Mereci, eu sei, eu própria me castiguei, antes de sequer chegar a errar. Se aprendo algo com tudo isto? Claro! Aprendo a cair e a cair, e a cair, cada vez de mais alto, há quem seja assim, goste de cair, talvez eu até peça por isto, talvez apenas tenha necessidade de sentir algo, independentemente do que for, apenas algo!
Sei que quando me "deixar secar" deixarei de existir, não fisicamente, mas perderei a minha essência, aquilo que me mantém viva em todos os momentos, pior que morrer só, é morrer sendo nada.. e muitos de nós não passam mesmo de isso, de grandes vazios cheios de nada e tudo.
Abri de novo os olhos, aquilo que me pareceu eternidades, não passou de meros minutos, no entanto vivi uma vida nestes minutos, senti o que há muito tinha esquecido, relembrei o que há muito julgava ter apagado de mim, saboreei um pouco do meu velho eu, que me deixou um sabor doce na boca, viajei até aquele cantinho, escondido que em tempos foi meu e que agora também ele se perdeu. 
Bem, acho que nunca poderemos ser sempre os mesmos, também qual seria a graça não é?
Depois de tantos devaneios e de umas quantas voltas na cama, o meu corpo decide por si, repousar num embalar de lágrimas e memórias, ansiando o nascer do sol, reconfortado pelos lençóis de cetim deixa-se levar e entrega-se aos sonhos, que de manhã ditaram um novo dia com o raiar desse mesmo sol.

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Uma folha caída (by Rui Miguel)

Então dizia:
"Uma hora da manhã, e já sinto de novo aquele calor que já se tornou uma constante nas minhas últimas noites. 
Sim... Aquele calor difícil de entender e de explicar. Aquele calor que se alastra por todo o meu corpo e que não me deixa somente quente, mas que por momentos me parece querer queimar. Abro a janela, sinto correr uma brisa fresca mas simples e 
inexplicavelmente ela não me consola nem me ajuda... a arrefecer.
Uma e um quarto e todas as tentativas de receber algum conforto, até mesmo as mais absurdas, não passam disso mesmo,
de meras tentativas. Confesso. Neste momento, acho que nem uma arca frigorifica me podia ajudar.
De repente, já lançado na profundeza dos meus pensamentos à procura de respostas, sinto, mesmo que não entendendo,que deixei alguma coisa de importante para fazer, ou ainda mais grave, sinto que fiz algo de errado a alguém importante.
As expectativas de encontrar a resposta estão agora mais elevados do que nunca. Mas não... Mais uma desilusão. Não é isto. Mais uma vez fracassei!
Tendo isto tudo em conta, resta-me a derradeira opção. Aquela de que eu, talvez cobardemente já fiz um hábito, que é o momento em que corro para a minha cama, afim de aliviar o que inicialmente era calor e que já se multiplicou em muitos
outros estados. Diz-se que a dormir o tempo passa mais rápido, é sem dúvida o melhor que eu tenho a fazer. Pelo menos por hoje.
Chegava então o momento, uma e meia, em que eu me despediria de vocês e punha o meu plano em prática. Mas, de facto hoje deve ser o dia em que tudo, ou apenas nada acontece, porque ao contrário das outras noites eu não consigo adormecer. Nem o meu único refúgio, que nunca antes me falhara, hoje falhou.
Depois de algum suor e muitas voltas na cama, eu entendi a origem do meu 'problema'.
É tudo agora tão óbvio que até parece mentira. É simplesmente a nossa 'amiga' saudade, que tem tentado incessantemente dar ares da sua vida. Tem tentado desde então dizer-me 'olá'.
Agora percebo também, o porquê das várias tentativas de me livrar do calor e do mau-estar terem falhado. Sem dúvida  que eles se fazem sentir... e bastante. Só que apesar de estes se revelarem exteriormente, o seu ponto de origem é bem no interior. <3
Digo eu (talvez para me tentar desculpar da minha falta de atenção e perspicácia) que pode ser compreensível o facto de eu não me ter apercebido mais cedo quem é que tem tentado 'bater à minha porta'. 
A 'saudade', é um sentimento formado por um conjunto de outros sentimentos, e que para mim é um dos mais complexos e difíceis de descrever. O que me ajuda a provar isso, é o facto de não haver tradução directa para outras línguas. "Ela" é tão chata e esquisitinha que só fala em Portugues!De qualquer jeito, a melhor forma de a perceber, é sentindo-a. E acreditem que ela queima... Muito! 
São agora quase 2 horas e encontro-me dividido entre a felicidade e a tristeza. Por um lado sinto que
diagnostiquei o meu estado e confesso que estou mais leve por ter conseguido transmiti-lo ao mundo, ao meu mundo.
Por outro lado, sinto-me a desmoronar porque sei que não há cura para o meu problema. Têm razão, ela existe... Mas há quem já esteja a fazer uso dela. Sinto-me de mão e pés atados e vou permanecer assim. Agora é tarde."


Esta foi uma página solta de um diário, escrita por alguém que até hoje eu não sei o nome. Apenas mais uma. Tudo o que pareça ser igual ou parecido à realidade é simplesmente uma coincidência.
Muito obrigado.
[Não Rui! Nós é que agradecemos =DD]

Rumos

Há tanta coisa que desconhecemos, tanto coisa por aprender, tanta coisa perdida.. Perdida, palavra engraçada não? A ultima vez que confirmei, significava, desaparecido, que se extraviou, que foi esquecido.. mas não mencionam tudo.. e que tal sem rumo? Sem saber o que fazer? Angustiada? Desolada? Indefesa? Sem saber de si? Sozinha? E isto? Como é suposto sabermos tudo isto? Quem nos explica, quem nos diz, quem nos avisa? QUEM??? Pois é nem, tudo se sabe através de livros, nem tudo se aprende apenas por ditados e historias que se ouvem.. ensinam-nos a crescer, a ler, andar, falar, mas não esperem que vos ensinem a amar, a chorar. a sofrer, ou a fazer com que aquela dor que tanto magoa, pare.
Viajei tanta vez  por breves momentos até ao infinito, pensei que me reconfortaria, aquela sensação de nada mais querer saber, nada mais ter que saber.. 

Mas quem é que eu queria enganar.. 
Por muito longe que fosse, seja o que fosse que me atormentara até ali, viria comigo.. Atormenta-me porque eu deixei que o fizesse, fui eu quem me deixei consumir por aquela desconfortável sensação, tinha sede de sentir algo, e aí o tenho.. algo! Apenas não algo que estava à espera.Crescemos a ouvir que não podemos desiludir ninguém, pois há pessoas que esperam tanto de nós, porque fizeram tudo o que podiam por nós e agora é justo retribuirmos, mas esqueceram-se de nos lembrar, que também nos desiludimos a nós próprios, nós próprios que na verdade, somos quem mais espera de nós. Um pouco de lealdade a quem somos, um pouco de consciência, um pouco de amor próprio, mas temo que não haja tempo para isso. Digo-o muitas vezes que sou diferente, e sou, não melhor, não pior, simplesmente diferente.. a vida em mim, deixou marca de outra forma.. vi o mundo de um prisma meio turvo, não por ilusões, apenas demasiado cru e frio.. não me arrependo de certa forma fez-me aprender e ver no que mais cedo ou mais tarde, me vou meter, Se me tornou mais fria? Mais dura? Não, mais refugiada sim.. talvez um pouco.. 
Mais desconfiada? Provavelmente... 
Fez-me ter vontade de fechar os olhos e morrer por instantes.. dramático não é? Talvez até seja, mas são vontades do momento. O poder de ter-mos tudo hoje em dia, faz-nos esquecer de certos aspecto que apesar de nos passarem ao lado, não deixem de lá estar.. por isso para um bom aglomerado de gente todo este desabafo passa ao lado. A experiência faz o homem, dizem os velhos ditados, talvez no futuro eu consiga ver o que a minha experiência fez de mim, somente espero alguém melhor, alguém com valores, alguém sóbrio e quem sabe, feliz, realizado.Alguém sem rodeies que consiga de uma vez por todas dizer o que sente, sem ser somente no papel ou num simples blog. Alguém em quem eu acredite que tudo pode conseguir !
Alguém como tu que me lês.

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Coisas da vida

Sabes aquele aperto no coração, aquela dor aguda no estômago, aquele nó na garganta, aquela lágrima presa no canto do olho?
Eu sei tão bem tudo isso.
Aquelas palavras contidas, aquele desapontamento, aquela esperança perdida numa fracção de segundos, aquele sentimento desconfortável e incrivelmente devastador, que nos inunda por dentro?
Ai se vocês soubessem o quão eu estou habituada a isso. Ouvir e calar, que rico lema de vida, mas de momento é o único que tenho comigo, e só vos tenho a dizer, que talvez seja o melhor, não o mais certo ou o mais corajoso, mas de momento o melhor. Por norma, tenho a irritante mania de dizer o que penso, basicamente tudo o que penso, não é que me interesse o facto de alguém querer ouvir ou não, tenho um ponto de vista, e pretendo manter-me fiel a esse mesmo, talvez por isso, por vezes o leve demasiado a sério. Talvez seja daí que venha o problema, eu acreditar em tudo ao extremo e levar tudo ao exagero. Todos sabemos que nada é eterno, mas mesmo assim, gosto de me ir enganando em poucas doses de sonhos que jamais passaram de mitos da minha mente. 

Terei eu ,o terrível hábito de exigir de algo, mais do que aquilo que posso receber?
Gostarei eu de sofrer, e apanhar os cacos no fim?.. Eu sei lá
Será errado, querer o mundo, em vez de apenas me contentar com uma insignificante parte?

Será egoísta, ver a vida num todo, querer fazer parte de um todo?
Será justo ter que ouvir "eu bem te avisei" só porque quis sonhar um pouco mais alto, e chegar a acreditar que tal coisa poderia mesmo acontecer?
Lá porque a vida me virou as costas uma vez, será que tenho de viver sem expectativas? Afinal, a minha história vive de mim, das minhas aventuras e desventuras, serei castigada por procurar algo melhor, algo maior, talvez algo impossível?
Sou uma mistura confusa de sentimentos e pensamentos, andante, e sinceramente já nem sei mais para onde me dirijo, se me devo dirigir ou não.

Anseio por me sentir viva de novo, por sonhar de novo, por ACREDITAR de novo.. por SER de novo, algo que em tempos fui, e que agora se desvaneceu num misto de sombras perdidas no chão...
Gostava de por vezes conseguir dizer, o que realmente no momento eu sinto, mas sei que tornaria tudo muito mais difícil, tudo mais complicado, tudo mais doloroso, e não sei se estou disposta a vir poder perder algo, apenas pelas frustrações de momento. 
Talvez tudo valha mais a pena que eu, talvez eu não me respeite, ou não acredito em mim, ou até mesmo, não tenha fé suficiente em mim. 
Apenas sei que até agora eu me aguentei, e tudo à minha volta parece ter aguentado, todos nós temos de a um certo ponto fazer sacrificios e este é o meu, gostaria que tudo fosse diferente, mas isso, não gostaríamos todos?
Como nem todos podemos ter tudo como queremos, eu aceito o meu fardo, de certo modo já faz parte de mim, porque não deixa-lo comigo? 

sábado, 23 de julho de 2011

Talvez

Recordo-me do que é sentir, recordo-me do que é amar, recordo-me de saber tudo isto, mas curiosamente , não me recordo de te sentir, de te amar, de ti. Ironicamente  sei o que é, mas não como é, sei o que se faz, mas não como se faz, apenas sei, e assim ando cheia de saberes , mas pobre de experiências.
Acredito que talvez  o medo  tenha tomado conta de mim, de outra forma nada disto seria assim. 
Deixei-me ficar perdida, assim que te perdi, tinha tudo, até que tu partiste, e agora estou sem nada. Nunca pedi ilusões, ou finais felizes, nunca pedi tesouros ou grandes sonhos, parti à procura de compaixão, de compreensão, de amor, de rumo, de vida e acabei por me cruzar contigo, um feliz contratempo do destino, digo isto, porque não sei como apareceste ou de onde vieste, mas agradeço pelo reconfortante sentido que deste à minha vida, que se não fosse por ti, estaria perdida. Mas assim como, no primeiro instante que apareceste ,deste sentido à minha pobre vida, também o tiraste,no primeiro instante em que partiste. Não sei se é de mim, ou se é pura crueldade do destino, mas tudo o que acho ser meu, me acaba por mostrar o contrário, e partir, e quando parte, não leva apenas uma parte , mas sim um todo, EU! Sabia que desgostos todos tínhamos, mas de certa forma julgava ser superior , ou pelo menos mostrava-me ser, mas só agora me apercebo que apenas é uma forma de salvaguardar o meu ego ferido. Quem diz que o amor não foi feito pa sofrer? Quem diz que a vida não foi feita para morrer? Quem diz o contrário? Quem desmente? Quem sabe alguma coisa sobre o que quer que seja ? Sempre me disseram, "nunca perguntes algo ao qual  possas não gostar da resposta" , e agimos todos assim, não só a esta pessoa , mas muitas outras, por vezes caminhamos sozinhos lado-a-lado por medo de saber as respostas às nossas perguntas, não por essas respostas não existirem, apenas porque sabemos que não nos vão agradar, e porque não nos sabemos contentar com um não, ou um simples talvez, ou até mesmo um nunca. Custa, claro que custa, saber que o que desejamos não passará apenas de um desejo, que o que sonhamos não passará apenas de um sonho. Fugimos, damos a volta à questão, mudamos de assunto, reviramos os olhos, apressamos o passo, levantamos o volume da música, desconversamos, fazemos-nos de desentendidos, esquecemos, apagamos, enfim, levamos uma eternidade a fugir, para simplesmente ficarmos sem nada em meros segundos. Nunca percebi , como é que algo que nos leva uma vida a construir, simplesmente desvanece num pestanejar, aquele sentimento desolador que nos inunda , que parece que nos tira o ar, aquela dor de fracassar, aquele sentimento de culpa, aquelas malditas palavras " eu bem te avisei", aquele olhar que julga, aquele vazio, aquele silêncio atormentado, aquela perda, tudo por um simples "porquê?" 
Talvez nada esteja destinado a ser como suposto, talvez nada se destine, talvez nada tenha suposto, talvez, talvez , talvez...
Talvez eu minta, e nada disto seja assim, talvez eu queira mesmo sofrer, talvez não, talvez não queira ninguém, talvez não queira solidão. Apenas talvez só talvez, não saiba nada. Talvez por isso, eu consiga ainda aguentar viver, aguentar sofrer, aguentar perder, aguentar sem ti, sem o que és, o que tens , sem o sentido que me deste, sem ....
Talvez um dia, consiga viver sem  um talvez!.. Talvez !

quarta-feira, 20 de julho de 2011

Voa

Sabes aquela sensação de liberdade, aquela.. sim aquela que em tempos foi nossa sabes? Boa não é? Que fizeste tu com ela? Para a onde a levaste? Onde a escondeste? Oh espera, já sei, deixaste-a VOAR!
Como tudo na vida, simplesmente deixaste fugir por entre os dedos aquilo que pensava eu ,ser-te importante. Serás sempre assim? Tens mesmo de ser assim? Eu tentei, juro que tentei, entender-te, pôr-me na tua pele, apoiar-te mas simplesmente não consigo mais. Sim estou a despejar-te de mim, já não és mais eu, há muito que já não somos nada.
Voa , procura o teu abrigo, eu trago o meu às costas, pensei que se te tivesse, tudo faria mais sentido, tudo teria sentido, agora me apercebo que não preciso de ti, nunca precisei, preciso de mim, do meu ser, dos meus olhos, preciso de estar viva, acordada, preciso de voar.. voar e voar ao sabor da vida até onde ela me tiver que levar.
Sem esperar algo, sem planear algo.. apenas desejar voar.
A insegurança do meu ser, tem te levado comigo tempo de mais .. julgava que me davas força, coragem.. mas apenas mostras o meu falhanço, a minha fraqueza, a minha dor... como senão chegasse apenas uma alma da minha pessoa. Agora contigo aqui, passo a ser um trapo velho num chão onde já ninguém mais pisa, passo a ser uma carta de doces palavras que já mais ninguém lê, passo a ser aquele álbum de recordações perdido naquela prateleira  lá bem no alto onde já ninguém mais vai procurar.. PASSO A SER TU! O oposto do que alguma vez quis para mim! TU .. porque tudo tem de se resumir a ti.. e a ti e sempre a ti? Porque não podes tu, ser EU ? Porque tens tu de ser a máscara que toda a gente vê ,e eu a cara triste que está por debaixo ? Porque tens de ser tu aquela que toda a gente gosta e quer ver e eu a que se tem de esconder.. ? Esqueci-me de onde vim, as minhas origens.. deite poder e agora tomaste conta da minha vida.. julguei que te ter por perto me faria feliz, me traria felicidade.. mas não, não , porque eu não sou essa mascara que tu mostras, eu sou aquele ser triste e magoado.. mas SOU! Sou e isso tu  nunca levarás de mim.. porque eu sou.. e quer tu estejas cá amanhã ou não, eu sempre serei e nunca precisarei de ti ou de outro para simplesmente SER. E tu minha máscara não passarás disso, não passarás de uma má ideia, de uma fase, de uma recordação, não passarás de uma insegurança , de um percurso, de um ciclo talvez.. não passarás de nada..
Perdi o controlo em ti.. culpa minha!.. Mas não voltará mais a acontecer.. porque hoje aqui te deixo voar, aliás, te faço voar ..


VOA, VOA .. APENAS  VOA!

É a vida (by Rui Miguel)

A vida.. a vida é vida, e o amor está inserido nela em todos os passos que damos. O mundo em que vivemos deixa tanto a desejar em relação a tanta coisa mas principalmente ao nosso "querido" amor. No entanto há tanta gente que o desperdiça quando ele realmente existe de forma tão pura e no seu ponto máximo.
É triste ver e sentir que cada vez existem menos pessoas capazes de amar e lutar por alguém só por terem aquele "bichinho" lá dentro que os ordena a tal, ou seja, só porque sim! Já não há confiança, honestidade e diálogo. Há sim puros jogos e batalhas campais afim de se perceber se realmente vale a pena tentar uma vez mais, e na maior parte das vezes não se chega a conclusão nenhuma, nem se chega a ser feliz. Isto deve-se talvez, pelo simples facto de ninguém querer ser magoado uma segunda, terceira ou quarta vez(...). E é aí que reside o problema... não há nada como
o primeiro amor, esse é bom, é genuíno e sabe bem... e as recordações ficam para sempre, uma vez que é talvez dos únicos em que nos entregamos totalmente.
Os restantes são meras imitações reles em que ambas as partes avançam recuando uma vez que o seu "bichinho" ainda não está completamente curado ou porque simplesmente ninguém quer perder mais uma vez nesta "batalha".
A solução não se apresenta muito díficil, simplesmente o amor deve ser vivido. Sim, vivido como se fosse a primeira vez, mesmo não sendo.. porque nada está para sempre destinado ao fracasso e nem todas as pessoas são iguais.
Da forma como todos estamos, todos sedentos de amor, derivado a escassez que se "sente".. há sim muitas pessoas a precisar de um porto seguro.. de um tripé que os ajude a viver a vida sem temer quedas, capazes de amar intensamente e puramente.. 
Basta fechar os olhos entregarmo-nos a "ele", com a confiança de que "ele" nos segurará. Se por algum motivo "ele" não nos segurar, o chão é o limite e podemos sempre nos levantar. Sim, este "ele" é "ele"... o amor, o tal que chamamos de "batalha" na maior parte das vezes.
Porque é que (quase) toda a gente ouve "canções de amor" e fica em modo pensativo? Ou porque
é que uns rejeitam ouvi-las, por as acharem tristes e deprimentes? Toda a gente sofre por amor, mas acreditem que há uma pessoa "perfeita" algures no mundo para cada 1 de nós, é "só" preciso encontrá-la e não desistir. Hope is the key.
Uma coisa eu garanto, ninguém (sobre)vive sem o mínimo de amor, seja ele de que tipo for... Não és nada sem ele, e quem diz o contrário definitavemente não o sente ou não sabe o que está a dizer, ou simplesmente não é corente.. não é homem/mulher o suficiente para dizer que também precisa dele.
Eu também não sei o que me deu para escrever tudo isto... talvez seja simplesmente mais um renegado ou talvez goste apenas de escrever aquilo que penso e sinto. 
Talvez já toda a gente saiba que isto é mesmo assim, e acham que não aprenderam nada de novo ao ler o que está escrito em cima.
Talvez achem tudo isto uma lamechiche sem importância, e têm a certeza que a vida é para ser vivida ao máximo, com diversão quer haja ou não amor... ou talvez não... talvez seja só um meio de fuga e de auto-engano. >.
Entreguem-se a vida, antes que a própria vida se "entregue" à morte. 

É a vida.. pura e dura. ;) 


Obrigado por me deixarem partilhar com vocês, agora já podemos voltar ao mundo real ;)

terça-feira, 28 de junho de 2011

Espelhos.

Sabem como é a sensação de percorrer quilómetros, ruas e ruelas, estradas e estradinhas, só para no final nos depararmos com um beco sem saída? Pois eis que aqui estamos, EU e TU, NÓS, neste mesmo beco sem saída, até onde chegamos, até onde isto tudo nos levou.. Acreditas? Algumas vez acreditaste? 
Incrível, é realmente incrível aquilo de que somos capazes. Lembras-te do vento por entre os nossos cabelos? Recordas-te dos sorrisos rasgados, esboçados? Das palavras ditas no calor do momento mais sagrado, da pele arrepiada por um beijo, do doce toque de umas mãos pela nossa pele como se fossem cetim?
Ai como tudo se foi, simplesmente se foi, ou se deixou ir.. gosto de pensar que apenas paramos o tempo, talvez porque me reconforta, ou mesmo porque me corroí por dentro pensar noutra razão.
Foi em tempos , parte de mim, parte de ti, e uma grande parte nossa.. por muito que possamos dizer tínhamos nos realmente uma à outra corpo e alma .. mas não sei porquê tu fugiste, correste sem não mais olhar para trás, para o que deixaste. 
Sabia que mais tarde ou mais cedo te veria sair de junto de mim, mas nunca julguei que doe-se tanto.
Levaste contigo dor, lágrimas, sais-te com as mãos sujas de vergonha, porque sabias que era errado, mas mesmo assim não paraste.. deixaste-me sem nada, sozinha, nua, sem alma, sem identidade..fugiste e escondeste-te.. não encontro mais o teu reflexo apenas uma imagem branca , um vazio, um lugar, tiraste o sentido a tudo o que havia conquistado, a tudo o que havia tido, a tudo. 
Julgava seres carne e osso, seres compaixão, seres coração, seres EU.. mas não, nem eu nem ninguém.. apenas te resumes a um mero reflexo no espelho, um espelho que em tempos tivera  sido  meu.. mas não mais..
 Agora apenas um espelho, num redopio de flash passas por mim e já não mais te reconheço, apenas te sinto.. fraca, escura, triste.. TU , reflexo da minha alma TU .. Espelho de uma vida perdida....

domingo, 15 de maio de 2011

Tudo tem uma razão!

O que verdadeiramente me incomoda, não és TU, não sou EU, não somos NÓS, ou muito menos ELES.. O que realmente me incomoda profundamente é o que fazes com ELE(A), o que fazes CONTIGO, o que fazemos CONNOSCO e o que fazemos com ELES.. Mas ainda me irrita mais , o que deixamos que o outro NOS faça, o que NOS deixamos fazer, o que deixamos os OUTROS fazer!
Por vezes encaro o ser humano como um ser falhado, um ser que nasce à partida já como uma causa perdida.
Irrita-me como mudamos de ideias tão facilmente, irrita-me como NOS conseguimos deixar manipular , sendo NÓS tão manipuladores, irrita-me rebaixarmos-NOS por quem não vale a pena, irrita-me ter que dar razão e admitir que  TODOS NÓS fazemos , de uma maneira ou outra, TUDO ISTO!!!
Julguei que ao andarmos aqui uma vida, que no fim traríamos algo de bom connosco, como um bom ensinamento, mas afinal , andamos aqui para cair nas rasteiras dos outros que também já por ali caíram.
Iludimos-nos julgando ser o melhor remédio, a melhor opção, mas isso só nos torna mais fracos e fracos. Engraçado como temos tanto jeito para o falhanço, é como se já nascêssemos destinados para falhar, não há nada que nos escape, incrível, realmente incrível. Transportamos connosco , uma história inconfundível aos olhos dos outros, que me intriga tanto, mas acreditem, que tanto.
Se calhar é vicio meu achar que tudo está mal, que não deveríamos ser assim, que tudo deveria ser de outra forma ou modo, se calhar o problema está mesmo em mim e não no que me rodeia, talvez tudo isto seja resultado de uma inevitável e confusa frustração, mas que posso eu fazer? Afinal, sou humana, e tal como qualquer outro , gosto de opinar, gosto de falar, gosto de dizer o que tem de mudar.. mas será que me limito apenas por dizer, ou apontar o dedo? Será que a melhor maneira é mesma essa? Apenas deitar os problemas para o ar na esperança que alguém decida fazer com eles aquilo que nós não queremos fazer, LIDAR COM ELES!? Eu não sei, e cada vez tenho mais a certeza que já nada sei mais, posso parecer louca por vezes, ou talvez até sempre, mas sou só alguém a tentar perceber o que me rodeia, o sentido do que me rodeia, o objectivo de todos andarmos aqui, talvez vocês não pensem nisto, talvez nem se interessem pelo assunto em questão e se calhar até eu  devia fazer o mesmo, mas não consigo, é mais forte que mim, sou curiosa.
Sou complicada de perceber, eu sei, admito que não sou propriamente fácil de ler, mas no fundo sou apenas e só um pequenino coraçãozinho , molinho, em busca de essência , em busca de um sentido , em busca de uma razão, que me faça ver onde eu errei. E quando por fim , lá chegar, o contentamento de provar que afinal sempre existe razão para sermos tudo isto, me irá consumir, e aí sim, poderei prosseguir com o resto da minha simples vida, mesmo que para isso demore essa mesma vida toda! SEREI POR FIM , INTEIRAMENTE FELIZ !

sábado, 14 de maio de 2011

A imagem fala por si só !

Será que tentamos mesmo?

Ás vezes dou comigo a pensar, em tudo menos em mim. Penso em ti, penso em nós , penso neles, mas nunca em mim. Consumida por tudo o que me rodeia, levo cada dia como se vivesse a vida de toda a gente menos a minha, estranho não? Afinal que sentido tem podermos ser tudo o que quisermos, quem quisermos, sem nunca sermos nós? Acordo todo o dia, como se estivesse hipnotizada..caminho num mundo de histórias, histórias essas que são de todos menos minhas. E quando finalmente decido pensar em mim, é como se tivesse cometido o maior erro à face da terra.. será que não sou digna de por uma vez querer ser um pouco egoísta? Como posso eu ser alguém senão passo de uma sombra no meio de tanta outra? Como posso eu ser levada a sério, se me deixo usar vezes sem conta sem nunca sequer contestar? Como posso eu ? Fraca! Tenho juízos acerca de tudo, tenho opiniões formadas, penso que sou gente grande.. mas não passo apenas de uma pobre alma perdida , pequenina, insignificante com a mania de que é alguém. O cumulo disto sabem qual é? É que eu digo-me isto todos os dias e mesmo assim não me mentalizo.. é triste, pensam vocês.. sim é triste, mas sou assim.. no meu fundo sou só alguém que quer ser mais que uma sombra, mais que uma boa ouvinte, mais que um bom porto seguro, sou só alguém que quer que sintam a falta, que se importem, que vejam para lá do que eu posso dar, alguém com coração.
Costumo pensar que vivo na minha bolha, levo-a comigo para qualquer lado que vá, essa bolha já foi tão pequenina, mas sentia-me só, e pensei que talvez se a abrisse para alguém a minha solidão desaparece-se, mas só agora me apercebi que não é muita gente que me faz feliz.. apenas me engana a vista, me faz sentir aconchegada, quando na verdade me encontro mais sozinha do que no principio. Perco tanto tempo a tentar agradar os outros que me esqueço do que quero para mim, de quem sou, ou de quem jamais deveria ser. Custa-me admitir mas deixei-me controlar, controlar por este mundo caótico, consumidor de corações inocentes que apenas desejam integrar-se no meio de tantos outros, acabei por me tornar naquilo que mais desprezo, perdi a minha essência, perdi aquilo que me tornava realmente diferente de todas as outras almas perdidas, vendi a minha alma ao lado obscuro, troquei a minha preciosa liberdade pelo gosto de ser aceite. 
Consumi e principalmente deixei-me consumir...envergonho-me, não por ter caído, mas por me ter rebaixado, tão baixo até mesmo para alguém sem escrúpulos, e tudo isto porquê? Por ganância? Por vaidade? Por poder? Por inveja? Não... tudo isto por fraqueza, por cobardia, por desespero, por falta de fé em mim.. POR NADA!! Porque no final, de mim só sobrou isso mesmo,um imenso nada, num imenso vazio, numa ainda maior vergonha.
De alguém agora passada a nada, aqui me dispo de máscaras, de felizes gargalhadas tantas vezes sofridas, despida dos mantos que deixei comodamente juntar sobre a minha pequena alma, vos digo algo que me sempre soube desde o principio.. não se rendam à felicidade eterna, pois não passa de uma tentadora miragem, não se rendam à popularidade, pois nunca vem sozinha, e nunca é de borla, e o preço a pagar não vale a pena, não se rendam à integração facilitada, façam os outros gostarem de vocês pelo que são e nunca pelo o que eles exigem que vocês sejam. Imponham-se, não deixem que ninguém vos diga o que devem ser, não deixem que ninguém vos tire o mérito de serem como são, mesmo que sejam pequeninos e trapalhões assim como eu, não se rebaixem por ninguém pois ninguém neste mundo é merecedor disso, e acima de tudo, não deixem que ninguém vos passe por cima .. PORQUE VOCÊS SÃO TÃO MELHORES QUE ISSO! 


Não se esqueçam disto em cada dia do vossa longa, mas nunca eterna vida e todos os dias quando se olharem ao espelho, pensem que fizeram tudo o que podiam e QUE NÃO HÁ NINGUÉM COMO VOCÊS.. POIS VOCÊS SÃO PERFEITOS NO VOSSO TODO!




Desejos uma feliz mas real vida, e que não se limitem a ser viajantes de passagem nesta vida , FAÇAM A DIFERENÇA!!

quarta-feira, 6 de abril de 2011

Lê-me!

Deixaste-me entrar dentro de ti, dentro do que eu julgava seres tu, agora que me encontro confortavelmente aqui, retiras-me o chão , sem me deixares mais nada a onde me agarrar. Cedi aos teus encantos, e fechando os olhos guiei-me cegamente ao sabor do vento das tuas palavras, mas no final apercebi-me que desta longa e verdadeira viagem, feita pelos os dois (pensava eu) não sobrava nada a não ser a mágoa de não te ter mais comigo, por não ter mais esse lugar confortável dentro do teu confuso ser.
Deixei-me suavemente embalar nos teus olhos, deixando-me frágil e indefeso a ti , a todo o teu poder.. acabei por virar objecto na tua mão, manipulado pela vontade de querer ter o que não se pode ou talvez não se quer mas que também não se quer que mais ninguém tenha.
Sei que lá no fundo não preciso de ti, sei que apenas és um desejo (do meu mais profundo consciente) em voltar atrás no tempo, pois foi contigo que fui realmente feliz. Acredito que no fim do dia apenas tenha piedade de ti, embora não queira ver , sei que sim.. Porque senão, porque haveria eu de aguentar assim 3 anos ? 3 longos anos.. Fiz-te acreditar que me és vida, e talvez até o sejas, mas não toda por completo, porque tenho eu de sofrer quando tu é que não te decides?
Sabes a pessoa que sou? Sabes o que passei e passo por ti? Sabes o valor que tenho?
Sou homem, homem que à partida é frio, forte, inviolável... Vês a que me resumi?  A um ser triste, dorido, que se guia conforme a tua disposição, que se rebaixa aos teus pés, só para te jurar que comigo tens o mundo!
Agora diz-me sinceramente...Achas que não valho a pena? Era mesmo preciso pensares? Se não o sentires dentro de ti, quase como de imediato, instantâneo, de que te serve pensar? Pensar só significa que não te valho tanto como tu a mim.
Por ser fraco, me deixo andar na tua corda bamba, jogando ao ritmo da tua música.. mas não te iludas que tudo isto durará para sempre.. Pois desta história um novo homem sairá e se tu não o queres..
ALGUÉM QUE ME MEREÇA , O QUERERÁ!!!!!



Dedicado a um amigo, a ver se ganha juízo ! ehehe

sexta-feira, 1 de abril de 2011

O principio de uma história já perdida

1992-Casaram-se, começava ali, o inicio de algo que estava prestes a mostrar-se um pesadelo. 
1993-Nasci eu, pequena, inocente, a primeira filha, a primeira dos teus três filhos, a tão planeada para nascer, todos esperavam um menino, mas por (in)feliz ironia do destino, veio ao mundo uma menina.


Poderia estar aqui agora, uma vida inteira , a contar a minha triste e  penosa evolução , mas não me adianta , porque o que lá vai, lá vai.. Posso dizer que não cresci no seio familiar mais feliz, digamos que não tenho a família mais unida de sempre, mas é a que tenho e não posso fazer nada quanto a isso não é assim?
Sempre pensei , que o casamento fosse um compromisso levado a sério e com respeito, onde a preocupação máxima era fazer valer a juras prometidas no altar naquele mesmo dia, talvez eu seja anormal por achar que quando se ama se deve zelar por o nosso mais querido, ou talvez não perceba mesmo nada do assunto em questão.. Só sei, que de qualquer modo, tenho a minha própria percepção das coisas, e é com ela , correcta ou errada, que avalio as pessoas e ajo. 
Há muita coisa da qual não precisava nem devia saber, muita coisa que por vezes me leva a pensar se viver valerá mesma a pena, se tem sentido algum dizer-mos todas aquelas palavras bonitas, mesmo que no final do dia não passem mesmo disso, palavras bonitas.
Talvez tenha criado uma ideia demasiado utópica do que é o amor e toda aquela atmosfera que o rodeia, ou simplesmente tenha criado o desejo de algum dia ver algo assim. Tempos passam, vontades mudam, mas as mesmas pessoas, a mesma casa, as mesmas mentiras, a mesma atmosfera, a mesma miséria de vida, mantêm-se .. e tudo isto porquê?  Porque nao mudam, não querem mudar, se se aguenta bem assim, porquê mudar?
Eu deixei de viver para mim, comecei a viver em função deles, eu acordo em pânico, eu deito-me em pânico, eu vivo em pânico, eu vivo os problemas deles, as traições deles, as mentiras delas, as dividas deles, as discussões deles, as cenas de pancadaria deles, eu vivo a vida deles! 


Chegamos ao presente:
2011-Dia 1 de Abril, pedem-se os papeis do divórcio, num quarto inundado de lágrimas e mágoas se põe fim aquilo que foram 19 anos de casamento, casamento esse apenas no papel, porque a capacidade de desafiar as regras a a ambição de ter o fruto proibido, nao permitiu que do papel se passa-se para a realidade...
Hoje dia 1 de Abril o mesmo homem que em tempos fez juras de amor prometendo estar presente em cada momento alegre, triste, dolorido da vida ,se rebaixa, tentado agora remediar aquilo que já não tem mais nada a fazer senão aceitar o facto de que o fim chegou!


Estou alegre? Não! 
Estou surpresa? Não! 
Estou bem? Bem , isso é outra história que não é para aqui chamada agora!
Se valeu a pena estes 19 anos de casamento, deitados agora pela janela fora? Quem sabe? Será que valeu? Será que alguma vez alguma daquelas tão benditas juras foi levada a sério, foi pensada, foi sentida?


Nem sempre temos o que queremos, nem sempre somos felizes, nem sempre temos uma família, nem sempre resulta, mas não está na vida o desafio de nunca desistir? 


Mas mais uma vez, eu sou só mais uma mera adolescente de tantas outras, intrigada por porquês para os quais nunca ninguém tem resposta!

quinta-feira, 31 de março de 2011

Ser-se SER !

Ás vezes caminhamos por entre tempestades,só para no fim nos recostarmos naquele confortável e eterno recanto escondido no fundo do nosso ser. Levados pela ambição seguimos em frente, até onde a estrada nos levar, sem sequer pensar no que fica para trás, quem fica para trás, sem nunca olha para trás.
Talvez seja da própria raça, da própria natureza humana, fugir, quando as coisas apertam, faz parte de nós, ser fraco, ter coração ou por vezes a falta dele,mas intriga-me o facto de apesar de todos sermos frutos do mesmo acaso, nem todos darmos valor ao facto de aqui andarmos!
Não percebo muito disso de, "todos estamos aqui por uma razão", se estamos aqui foi porque alguém quis, porque alguém fez para isso, é verdade que ninguém nasce por acaso, ou pelo menos não devia ser, mas não me venham dizer que um ser com meses de vida veio ao mundo porque estava destinado por deus ou porque o destino assim o quis ou até que ele fará grandes feitos ...porque digo-vos algo : TRETAS!! 
Sim, não façam esse ar de escandalizados, sei que muitos de vocês pensam o mesmo, mas pelas normas da boa educação a que vocês tanto dão valor , mesmo sem as perceber, não o dizem...Mas eu como "labrega" que sou, ou menina da aldeia (fica ao vosso gosto) , digo-o com todas as letras.. Vejam o cumulo, o Homem é criado para ser um ser independente, autónomo, e no entanto passa a sua  vida preso a regras que o impedem de ser livre, ser feliz, ser ele próprio, SER PESSOA, e mesmo assim , aprisionado em todas essas e outras mais restrições segue o seu caminho alegremente até ao precipício. Não é cómico? O Homem sabe exigir, mas não sabe lutar decentemente pelo que quer e acredita, exige ser respeitado, mas depois rebaixa-se mostrando fraqueza por todos os seus poros, grita por direitos, mas quando chega a hora de dar a cara por eles, foge apressadamente naquilo a que chamamos o passeio da vergonha.. vá lá há que admitir, somos uma espécie muito manhosa, como é que cabe num único ser, tanto defeito, tanta mesquinhisse?.. 
Digo-vos é preciso ser-se mesmo muito especial.. mas bem são coisas que apenas me confundem e baralham num emaranhado de tentativas frustradas que buscam respostas que simplesmente não se dão, afinal de contas, no final do dia, sou tão SER como qualquer outra alma andante por esta terra, e tal como eles, também eu própria trago comigo os meus defeitos e mesquinhisses, e muito provavelmente outrem irá dizer o mesmo.. porque o mundo é mesmo assim, é um acumular de erros e tentativas falhadas, que voltam a ser cometidas vezes sem contas, porque apesar de toda a capacidade que algo superior nos deu, nós SER continuamos a insistir em cair na mesma possa, em bater na mesma parede, em dizer a mesma asneira..Porque simplesmente, dá demasiado trabalho quebrar o circulo e por uma vez ser-se diferente .. 
Não é assim caros amigos ?!

sábado, 26 de março de 2011

Quem és tu?


Eu fico a olhar para o meu reflexo no espelho
Por que estou fazer isto comigo mesma?
Perdendo minha cabeça num pequeno erro
Eu estava perto de deixar o meu verdadeiro eu na prateleira
Não, não, não, não


Não percas tudo no borrão do início
Ver é enganar, sonhar é acreditar
É normal não estares bem
Às vezes é difícil
De seguir o teu coração
Lágrimas não significam que tu estás perdendo
Todo mundo se magoa
Basta seres verdadeiro com quem tu és
Quem tu és, quem tu és, quem tu és


Penteando o meu cabelo, pareço perfeita?
Esqueci o que fazer para te encaixar no molde
Quanto mais eu tento, menos isto funciona
Porque tudo dentro de mim grita: 
não, não, não, não, não, não, não


Não percas tudo no borrão do início
Ver é enganar, sonhar é acreditar
É normal não estares bem
Às vezes é difícil
De seguir o teu coração
Lágrimas não significam que tu estás perdendo
Todo mundo se magoa
Basta seres verdadeiro com quem tu és
Quem tu és, quem tu és, quem tu és


Sim, nãos, 
Egos Falsos se mostram como uma explosão
Basta ir e me deixar sozinha
Discussão real, vida real, boa sorte, boa noite
Com um sorriso ...
Esta é a minha casa, 
Esta é a minha casa ...


Não, não, não, não, não ...


Não percas tudo no borrão do início
Ver é enganar, sonhar é acreditar
É normal não estares bem
Às vezes é difícil
De seguir o teu coração
Lágrimas não significam que tu estás perdendo
Todo mundo se magoa
Basta seres verdadeiro com quem tu és
Quem tu és, quem tu és, quem tu és


Sim, sim ....

FIM !!

Finge-se de coitada, talvez porque lhe fica bem o papel de coitadinha ou apenas pelo simples facto de que é sempre mais fácil dizer que não tem culpa.  Vagueia pela rua, gritando ao mundo o quão sacrificada é.. oh mas que pobre coitada..
Ah por amor de deus.. TU? A sério ? Tu que vives de aparências, que te enterras de dividas apenas para teres o prazer de teres roupa nova e puderes ir viajar.. Tu? 
Olha mas que piada .. exiges respeito, verdade, valores morais que tu própria não tens! Quem te vai levar a sério? Tu , pedes respeito e no minuto a seguir estás a desrespeitar, tu que impões a verdade e tempos depois és apanhada a mentir.. então e agora ? Que é feita dessa tão falada dignidade?
Entendes agora porque não te consigo levar a sério, porque não me consigo nem quero aproximar de ti, porque não confio nem acredito de ti.. percebes porque sou assim para ti? Nem tudo tem de ter por detrás uma enorme e maquiavélica conspiração.. aliás nem sempre tem, até porque a vida não se resumo apenas a vinganças e esquemas.
Desculpa se não lido bem com a hipocrisia como tu, desculpa se não deixo passar em branco a mentira e nao faço de conta que nada disto de aconteceu, desculpa se não sou fria como tu, desculpa se não sou COMO TU!!!
Talvez seja por isso que não encontre nada em comum entre nós, à quem diga que não é pelo simples facto de sairmos de dentro daquela pessoa que temos de ser como ela, e mais uma vez o destino fez questão de comprovar isso mesmo. Vim de dentro de ti, mas de ti não tenho nada, vivo contigo, mas contigo não aprendo nada, tenho um aspecto semelhante ao teu, mas não tenho nada a ver contigo.
À quem diga "tal mãe, tal filha", acredito fielmente que neste caso nada disso se adequa, pois apesar da vida falsa e patéticamente triste que levas , eu tive a milagrosa inteligência de não seguir as tuas pisadas. Ainda me perguntas se tenho orgulho em ti. Como tens tu o descaramento de sequer pronunciar essa palavra, sabes ao menos o que quer dizer? (Re)Conheces o valor expressivo desta palavra? Pois a mim parece-me que não..
Estou farta de viver os teus problemas, de pagar pelos teus desvaneios irresponsáveis de chorar as tuas asneiras infantis, de gritar as tuas culpas, estou mais que farta.. não tenho de aguentar isto, alias ninguém tem. Custa? Então não o faças! Não há dinheiro? Então não compres! Traiu? Então não permitas que volte a acontecer! Caíste? Então levanta-te! Magoaste-te? Então aprende a lição de uma vez por todas!
Afinal quantas vezes tem isto de acontecer até que tu te apercebas que algo tem urgentemente de mudar ãh? Tens prazer em viver assim, em fazeres-te de infeliz? A sério, não te compreendo, não dá para a minha cabeça. Eu desisto, desisto de ti, desisto de te ouvir, de te compreender, de te tentar ajudar.

DESISTO!!!!!

segunda-feira, 21 de março de 2011

Vazio!


Uma sala vazia.. Quatro paredes, uma janela, dois vultos, uma história....


Costumava ser o nosso refugio, aquelas paredes que por uma vida fizeram parte da nossa história, aquele chão que os teus pés receavam nunca mais voltar a pisar.. 
Pequena e simplória casinha escondida no meio do arvoredo,palco de guerras perdidas, amor vividos , tristezas choradas.. Velhinha, transbordava história por cada recanto.. abandonada , agora nosso antro de pecados e desejos ali se encontrava..Aconchegada por aquele particular raio de sol que insistia em perfurar a escuridão .. e era assim, era assim que se passavam os dias, as noites, as tardes, as horas, os dias, foi assim que se passou uma vida..


Histórias de amor declamadas aos céus, desejos, sonhos..
Tudo ali era simbólico, especial, diferente...... Era nosso, guardava nela o nosso cheiro, o nosso sorriso.. A vontade de ser tua e tu seres meu tomou conta de mim , do meu corpo.. Sozinhos agora ali sem ninguém, fechados entre aquelas 4 paredes fizemos do infinito nosso tempo e do mundo nossa casa, vivemos ardentemente o sentimento mais ingénuo de amar..


Anos depois... a mesma sala, as mesmas quatro paredes, os mesmo dois vultos, a mesma janela.....
UMA HISTÓRIA DE AMOR

Um pouco perdida ....

Entranhada em teias de porquês me deito hoje aqui, leve e só como nunca antes me encontrara, é triste como depois de tanto anos a solidão me encontra de novo,aqui, desta vez, tão frágil como nunca me tivera visto antes.
Até que ponto chega o insaciável desejo de ser ambiciosamente feliz. Num passado não tão distante do agora, já tive tudo, já fui tudo, e em puras palavras me tornei tão pouco, tão insignificante tão nada. 
Parti do principio de que tudo isto era uma mera fase, tentei enganar a razão aos poucos, mas admito que já de muito sentia o meu coração fraquejar. 
Era inevitável, e tu sabias, tu sabias desde o princípio, desde o primeiro momento em que me encontraste perdida no meio do teu horizonte... mas, mesmo assim não partiste, ficaste a meu lado.
Sabias bem de que pessoa eu era feita, e sei que lá no fundo em segredo sabias que era um caso perdido.. Não te questiono porque não me deixaste antes, pois sei que não mo dirias, mas te agradeço.
Acompanhaste cada passo meu, cada sorriso esboçado, cada lágrima derramada, cada sentimento deturpado, cada razão de viver, cada desespero, partilhamos por longos e para sempre guardados momentos, partilhamos vida!
Entraste na minha vida como um raio que cai no céu com tantos outros, no meio da tempestade.. e da mesma maneira que assim apareceste, assim desapareceste.. Cruel? Sim! Justo? Talvez! Paixão? Hum... deixemos isso para depois.
Este desconforto, deixa-me cada vez mais resignada.. Não vou começar com teorias de que talvez a culpa tivesse sido minha, ou o que não terá resultado.. gosto de apenas me contentar com o facto de que pelo menos te tive por aquele breve momento e que apesar de teres partido permaneces em mim, naquilo a que chamam uma brilhante memória..
Talvez a vida seja mesmo isto.. talvez esteja destinado assim.. talvez tudo isto possa ter partido de um mero acaso do destino, ou talvez tenha sido o meu mais profundo subconsciente que te desejou... 
Mas no final de conta a vida é apenas e somente isto.. um estádio (momento) de chegadas e partida, de entradas e saídas, de idas e voltas, de momentos e memórias...


Puro devaneio ou até mesmo saudade, me levaram a escrever... sinceramente nem sei do que falo.. pois não me dirijo a ninguém em particular.. 
Talvez tudo isto não passe de uma tentativa do meu subconsciente  se elevar e gritar o que tanto faço força para esconder.. 


Vá-se lá saber...

sábado, 12 de março de 2011

Citação

Não fiques triste quando ninguém notar o que fizeste de bom
Afinal...
O sol faz um enorme espetaculo ao nascer,e mesmo assim, a maioria de nós continua dormindo.
Charles Chaplin

quarta-feira, 9 de março de 2011

Delírios



Está escuro lá fora, um imenso manto preto cobre os céus de NY, e eu, aqui, resignada de frustrações. A lua brilha lá no alto, e ilumina por entre os transparentes cortinados de cetim com aquele perfeito brilho hipnotizante, todo o meu quarto. O som da chuva a cair leva-me a fechar lentamente os olhos , viajo por entre os teus doces sorrisos, e agarro-me por breves momentos a perfeitas recordações. 
É tarde! As voltas na cama, o aperto no coração, impedem-me de dormir. Não sei mais que fazer para te trazer de volta...    Imaginei-nos a viver anos, grandes histórias de amor, percorrer grandes caminhos, lado a lado, só tu e eu. 
Talvez tenho sido ingenuidade minha, ou talvez não queria ver o que sabia que estava ali mesmo à minha frente, mas fiz de tudo por nós, por ti,  A doce sensação de me sentir desejada tomou conta de mim, das minhas acções, deixei de viver para mim.. e comecei a viver de ti para ti ... Só queria que tudo fosse perfeito, que tudo fosse único, só queria que tudo fosse.... FOSSE..FOSSE..FOSSE... mas nunca foi pois não? Nunca foste realmente meu, nunca houve realmente um nós...
Aquela cama começava a tornar-se um imenso mar de lágrimas e angustias...Não pisava o chão há semanas, não via as cores da cidade há semanas.. Tornei-me tão dependente de ti que quando me encontrei sozinha não sabia mais que caminho seguir..não me perguntes como me deixei ficar tão frágil, tão fraca, tão morta, porque nem eu própria sei..
Talvez tenha cedido ás forças corrosivas do amor, ou talvez me tenha acomodado a este estado de tremendo desespero, mas sinceramente não quero mais saber!
Ainda acordada, arrasto-me até à janela que em tempos foi o nosso recanto de puras citações, olho por entre os prédios à procura daquela ainda fonte de vida, na esperança de que a mesma me traga de novo aquilo que por decisão do destino ou por falta de ele, me roubou...
Fecho olhos ...
E lentamente me deixo embalar.........encontro-me finalmente de novo ao teu lado, nos teus braços, relembro o conforto de ser amada, abraço o momento como nunca antes feito.


Acordo, ainda com o teu sabor nos meus lábios, procuro por ti mas tu não estás, tu nunca estiveste.. 
Serás tu uma doce e eterna utopia? Será tudo isto real? 


Não sei, realmente não sei, mas se não for amor o que mais será?